Por que decidimos Construir nosso Home Office?

 

 

Introdução

 

Construindo Home office

 

Diferente dos outros artigos que serão mais técnicos e com dicas diretas, esse será um pouco mais pessoal, contando um pouco da minha história e dos motivos que me levaram a querer construir nosso home office.

Porém mesmo sendo um artigo pessoal, não quer dizer que deixe de ter algumas informações interessantes e que de alguma forma possam ajudar e inspirar.

 

Minha Infância

 

Por que decidimos construir nosso home office - criança

 

Eu gostava muito de jogar futebol quando era criança. Acordava cedo, pegava a bola e ia para a quadra que tinha perto de casa. Ficava jogando sozinho mesmo, treinando dribles e chutando para o gol, até as outras crianças chegarem e ter gente suficiente para jogar.

Lembro que sempre que podia, jogava no time mais fraco, isso me incentivava a jogar sério e dar o meu melhor para ganhar a partida.

Essa atitude me fez não ter medo de encarar novos desafios.

 

Steve Jobs e Bill Gates – Os meninos que largaram a faculdade para fundar uma das duas maiores empresas do mundo

 

construir nosso home office - steve jobs and bill gates

 

Depois que fiquei mais velho, passei a gostar muito de computadores. Via meu irmão mais velho desmontando e montando só para ver o que tinha dentro. Como eu não podia mexer, ficava só olhando.

Acabei conhecendo a história de Steve Jobs e Bill Gates e como eles fizeram para inventar os computadores e fundarem a Apple e a Microsoft. Fiquei impressionado em saber que eles começaram tudo dentro de uma garagem, e mais impressionado ainda que nem terminaram a faculdade.

Até então eu pensava que para inventar um produto inovador ou montar um negócio bem sucedido, precisaria ser um gênio e ter faculdade. A parte de ser um gênio eu já sabia que não poderia ser e já estava conformado… mas não precisar ter uma faculdade… isso mudou tudo.

 

Comecei a trabalhar, li meus primeiros livros completos e conheci o NerdCast

 

construir nosso home office - podcast

 

Quando eu tinha uns 18 ou 19 anos, consegui meu primeiro emprego de carteira assinada. Trabalhava tomando conta de um laboratório de informática de uma escola que ficava do lado da minha casa (mesmo assim lembro que eu conseguia chegar atrasado).

O serviço era bem simples, passava a maior parte do tempo livre sem ter muita coisa pra fazer. Comecei a criar o hábito de ler para passar o tempo. Foi quando consegui ler meus primeiros livros completos, porque eu sempre começava a ler e abandonava o livro pela metade.

Teve um dia que eu já tinha lido vários capítulos do livro e já estava cansado, foi então que vi um amigo compartilhando no twitter o link de um podcast chamado NerdCast.

 

Tweet Rafael NerdCast

 

Como os Nerdcasters são em áudio, eu baixava pra ficar ouvindo enquanto trabalhava. Acabei ouvindo vários, até que um dia ouvi um que me marcou bastante.

Era o NerdCast 83 – Nerd Rico, Nerd Pobre. Eles estavam falando sobre as experiências que estavam tendo investindo na bolsa de valores. O dinheiro que haviam ganhado e perdido durante esse tempo, mas isso tudo de uma forma bem engraçada, eu não parava de rir.

Só que chegando no final do programa, eles começaram a falar do motivo por que estavam investindo. Foi onde pela primeira vez ouvi falar sobre Educação Financeira, do livro Pai Rico, Pai Pobre e que seguir o conselho dos nossos pais que é “estudar com afinco, tirar boas notas para encontrar um bom emprego com um bom salário” não era mais válido como antigamente.

Indico muito que você também ouça esse NerdCast e também leia o livro Pai Rico, Pai Pobre.

 

Passei para Faculdade \o/

 

Passei para faculdade

 

Trabalhar no colégio fez com que acabasse fazendo amizade com os professores, e eles me incentivavam bastante à estudar. Soube por um deles que iria abrir inscrição para uma faculdade que ficava perto da minha cidade e tinha o curso de Administração que me interessava.

Fiz a inscrição e passei da primeira fase. Para ser aprovado, eu também teria que passar da segunda fase, que já não era tão simples. Teria que fazer uma prova com 5 questões de português, 5 de matemática e mais a redação. Só que eu não sabia nada de matemática.

Pelas minhas contas eu teria que acertar pelo menos 1 questão de matemática, e para minha sorte quem tinha corrigido minha prova acabou considerando 0,4 pontos da única questão que eu tinha rabiscado alguma coisa… e isso fez com que eu fosse aprovado. Uhul \o/

 

Tranquei a Faculdade e fui abrir o meu Negócio

 

é hora de mudar

 

A faculdade era linda, nunca pensei que um dia conseguiria estudar em uma faculdade federal. As aulas de Teoria Geral da Administração que todo mundo odiava eu nem piscava. Lí todos os livros que o professor falava, sabia tudo sobre Fayol, Taylor…

Porém, nem tudo são flores, fiquei reprovado em cálculo. Já tinha mostrado minha fraqueza naqueles 0,4 da prova do vestibular. rsrs

Mesmo achando tudo lindo e maravilhoso, eu já tinha visto que Steve Jobs e Bill Gates não precisaram de uma faculdade para fundar a Apple e a Microsoft.

E também sabia que depois de formado o diploma serviria apenas para me tornar um bom empregado. Eu não queria ser um bom empregado, queria ter o meu negócio, empreender, fazer como tinha visto no NerdCast e no livro Pai Rico, Pai Pobre.

Eu gostava da ideia de ver o meu negócio crescer e evoluir… e não de me tornar um bom empregado, para depois virar supervisor, gerente e ir até gerente geral.

Então quando estava no 3º período, tranquei a faculdade e fui abrir o meu negócio.

 

Abri minha empresa – O início de um império

 

Empreender

 

Tranquei a faculdade, pedi conta do emprego no colégio e abri minha empresa. Agora eu era parecido com Steve Jobs e Bill Gates, iria começar a construir meu império e ficar milionário.

Bom… minha “empresa” ficava na antiga loja da minha avó onde ela tinha um brechó, eu e meu irmão mais velho limpamos as coisas e montamos um espacinho para consertar os computadores dos vizinhos. Era uma lojinha bem simples, um computador, uma bancada e minhas ferramentas, mas na minha cabeça era uma futura Apple em construção. rsrs

Consertar computadores era uma das poucas coisas que eu sabia fazer, então caí pra dentro. Todo dinheiro que entrava eu reinvestia 80%. Os 20% que sobrava eu ajudava minha tia com a luz e pagava a internet, se sobrasse alguma coisa eu comprava um picolé.

Fiquei na loja durante 2 anos, trabalhava firme, muitas vezes de 8h às 20h. Porém eu via que meus pais estavam chateados, vendo o filho trabalhando ali em uma lojinha, consertando computadores, com a faculdade trancada. Enquanto os amigos estavam todos indo trabalhar fora, fazendo treinamentos nos USA e em outros países e eu ali na lojinha.

Eles não conseguiam enxergar a lojinha como eu via, como se fosse o início de meu “império” rsrs
Eu não queria deixar ninguém chateado, ainda mais os meus pais. Então decidi que iria dar uma pausa nos negócios, terminar a faculdade, trabalhar em uma boa empresa e depois aos poucos ir retornando com os negócios.

 

Destranquei a faculdade, comecei a trabalhar em uma empresa multinacional e casei com minha melhor amiga.

 

casamos

 

Minha matrícula ainda não tinha sido cancelada, então retornei para a faculdade. Depois de alguns períodos consegui um estágio como planejador em uma empresa multinacional.

Foi uma experiência muito boa pois eu participava de várias etapas do planejamento da empresa. Fiquei 2 anos como estagiário e 1 ano como funcionário, aprendi realmente muita coisa e conheci pessoas interessantíssimas que sempre me ajudaram muito.

Nesse tempo casei com a Yasmin, que é minha amiga desde a infância e agora minha esposa. Foi ela que me ajudou a terminar o TCC e concluir a faculdade.

 

Construindo nosso Home Office

 

Casamos

 

Depois que casei as prioridades mudaram. Já não tenho aquela vontade de me matar de trabalhar para montar um império como a Apple e ficar rico.

Hoje busco junto com a Yasmin ter uma vida tranquila, onde possamos aproveitar sem ter que esquentar muito a cabeça. Valorizamos bem mais os momentos de descanso e lazer do que ganhar dinheiro.

Encontramos a possibilidade de trabalhar em casa produzindo conteúdo. Dessa forma buscamos conciliar o trabalho com os nossos novos objetivos que é ter uma vida mais tranquila e que nos permita aproveitar mais.

Para produzir conteúdo eu não preciso mais do que um papel, uma caneta e uma mente tranquila.

 

Seja bem vindo ao projeto Construindo Home Office

 

Logo

 

Contei um pouco da nossa história para que você conheça melhor a gente e entenda o objetivo do nosso trabalho.

Espero que gostem do blog e das dicas que procuraremos trazer pra cá. E que de alguma forma possamos te inspirar e te ajudar a ir em busca de seus objetivos.

Um grande abraço Gabriel e Yasmin Abal.

 

 

Oi, Sou Gabriel Abal Empreendedor Digital e Quero te Dar um Ebook GRÁTIS!